A serra da Estrela é uma cadeia montanhosa dominada por granitos, que se instalaram sobre rochas mais antigas com origem em sedimentos depositados em meio marinho. O seu relevo resulta de uma história longa, em que se evidenciam inúmeros episódios tectónicos, com início há 380 milhões de anos, a ação dos agentes erosivos e o efeito modelador dos gelos, durante o último período glaciário.

A geodiversidade da serra reúne um conjunto vasto de ocorrências naturais, quer a nível geológico quer a nível geomorfológico, fundamentais para a compreensão da história geológica do território. Estes elementos denominam-se de geossítios e, além de possuírem um excecional valor científico, têm um valor educativo e turístico relevante, cujo uso sustentado deve ser fomentado para desfrute de todos.

 

Vale glaciário da Garganta de Loriga

Vale glaciar, localizado no sector sudoeste do planalto superior. Apresenta uma série de depressões dispostas em degraus, denominadas covões, resultado da acção erosiva glaciária.

 

Vale Glaciário do Covão Grande

Este vale, é o resultado da acção da segunda maior língua glaciária, a seguir à do vale do Zêzere, cuja alimentação era feita por uma ampla área de captação de neve. Nesta área, é possível encontrar algumas das mais evidentes e bem conservadas formas de erosão e transporte glaciário.

 

Vale glaciário do Covão de Alvoco

Vale de origem glaciária, onde a acção do gelo é menos evidente. Factores como a exposição a uma maior insolação, e a reduzida bacia de recepção, responsável pela alimentação nivosa, terão ditado a pequena dimensão deste glaciar.

 

Malhada do Cabeço da Estercada - Blocos Erráticos

Localizado a norte da Lagoa Comprida, encontra-se um dos mais vastos e bem conservados conjuntos de blocos erráticos. Estes blocos dispersos, apresentam por vezes vários metros de diametro, assim como diferenças na sua constituição relativamente ao substrato onde se encontram, envidência do transporte por parte do gelo.